• Ouça a Rádio
  • Galeria de Fotos
  • Vídeos
  • Facebook
  • Twitter
Conexão Jornalismo é o primeiro site do país a merecer o selo verde.
Planvale

Busca

 

Conexão TV

Terça-feira, 25 de Abril de 2017

Atletiba exclui Globo da transmissão da final do Paranaense

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
VER +

Galeria de Fotos

 
 

 
 

Comunidade

home > colunas > educação

Educação

 

Segunda-feira, 20 de Março de 2017

Previdência: ex-alunos do tradicional Colégio São Bento se enfrentam no Rio

Da Redação

Theófilo e Constantino: ex-alunos e a guerra declarada
Theófilo e Constantino: ex-alunos e a guerra declarada

A manifestação contra a reforma da previdência social colocou em pé de guerra grupos de ex-alunos e frequentadores do tradicional Colégio São Bento, do Rio de Janeiro. O conflito ideológico começou quando professores decidiram ir às ruas na última quarta-feira (15) protestar contra o projeto do governo ilegítimo de Michel Temer que quer acabar com o modelo previdenciário atual e impor um prazo maior para que o trabalhador alcance a aposentadoria. Tal movimento teve a adesão da maioria dos alunos. Liderados pelo ex-aluno e ultra conservador colunista Rodrigo Constantino, ex-alunos reagiram e pediram que a direção do São Bento punisse com a perda proporcional do salário os que aderiram ao protesto convocado "pela CUT". Mas a reação a este pedido considerado reacionário não tardou a acontecer. Outro grupo, do qual faz parte do cientista político Theófilo Rodrigues, deu início a uma petição pública criticando o grupo conservador e pedindo assinaturas de apoio aos professores do São Bento.



Em nota de protesto publicada no Blog de Rodrigo Constantino há um denso texto condenatório onde os ex-alunos atacam os movimentos sociais e em especial as entidades representativas dos trabalhadores. No final há uma comemoração: pelo menos 300 alunos teriam assinado o manifesto.

Leia também:
Veja o número atualizado sobre a votação de ex-alunos contrários ou favoráveis a punição de professores

A tese de Constantino apela até para o custo a mensalidade:

- (...) os pais dos alunos do CSB/RJ, ao matricularem seus filhos em secular instituição e arcarem com uma expressiva mensalidade, desejam que estes tenham aulas regulares, sem quaisquer paralisações, a fim de obterem todo o conhecimento disponível.

Por outro lado, na petição que dá apoio aos professores, há especial atenção ao direito à livre manifestação do pensamento. Theófilo Rodrigues afirma que os professores precisam ter seus direitos respeitados:

- (...)demonstram total desconhecimento relativo à pluralidade de vozes que configura o campo de lutas por direitos trabalhistas no Brasil - diz a nota.

Leia a nota na íntegra dos ex-alunos que defendem o direito dos professores:

"Na qualidade de ex-alunos do Colégio de São Bento do Rio de Janeiro, nos sentimos na obrigação de tornar pública nossa discordância em relação à petição assinada por um grupo de ex-alunos contrários à participação dos professores do Colégio na paralisação geral contra a reforma da previdência, ocorrida no último dia 15 de março.

Independentemente da posição de seus autores quanto ao mérito da paralisação, a petição está em conflito com princípios fundamentais da ordem democrática nacional.

Os peticionários ignoram que o direito de greve é resultado de uma história de conquistas que se cristalizaram no artigo 9 da Constituição de 1988. É, portanto, assegurado a todos os cidadãos brasileiros como instrumento de pressão e negociação por melhores condições de vida e trabalho, especialmente quando se trata de reivindicar a garantia de outros direitos constitucionalmente previstos, como os direitos a previdência social e aposentadoria dos artigos 6 e 7, XXIV da nossa Constituição.

Mais ainda, demonstram total desconhecimento relativo à pluralidade de vozes que configura o campo de lutas por direitos trabalhistas no Brasil. Atribuindo controle partidário aos sindicatos que organizaram a paralisação do dia 15 e estendendo este aos professores do Colégio, os peticionários desmerecem e silenciam posicionamentos minoritários e individuais que fazem parte de qualquer tipo de manifestação em qualquer campo do espectro político. Não reconhecem os professores do Colégio como indivíduos autônomos, capazes de se organizar e agir com base no que consideram ser seus próprios direitos.

Os peticionários apresentam suas demandas como nada além de representações da "realidade" e da "verdade", atribuindo ao ato dos professores caráter ideológico que ameaçaria a formação dos alunos da instituição. Preferem ignorar que sua própria posição no debate político maior sobre a previdência e a legitimidade da paralisação é também reflexo de um posicionamento ideológico, mais afeito a um liberalismo econômico.

No caso da petição, porém, trata-se de um liberalismo econômico perverso, utilizado para atacar liberdades civis, políticas e sociais - como a liberdade de contratação, o direito de greve e a livre manifestação do pensamento.

De fato, além de questionarem a paralisação em si, algumas das medidas exigidas pelos peticionários vão contra a liberdade de contratar e negociar, que eles mesmos invocam como paradigma de estado de direito. Não sendo alunos, pais de alunos, diretores, professores ou funcionários da instituição, o grupo pede cortes de salários e reduções de mensalidades. Se a liberdade de contrato é relação jurídica livre e dentro dos limites legais entre contratante e contratado, a tentativa de determinar externamente essa relação configura ato atentatório à liberdade de contratar e negociar condições, salários, serviços etc.

Esperamos, com este documento, contribuir para a pluralidade democrática do debate dentro da comunidade beneditina com especial atenção aos atuais alunos do Colégio, ainda em processo de formação como cidadãos. O Colégio de São Bento deve formar cidadãos para uma vida política democrática e participativa, atenta a problemas locais, nacionais e globais. Acreditamos que posicionar-se, a favor ou contra propostas como a reforma da previdência, é aprender a conviver em uma sociedade democrática e plural comprometida com as liberdades individuais. Nas palavras do nosso estimado reitor, Dom Lourenço de Almeida Prado:

"Na instituição de vida democrática, a liberdade escolar, que consiste na liberdade de aprender e na liberdade de ensinar conforme as aspirações educacionais da comunidade, exige uma atenção especial, porque os desvios facilmente se insinuam veladamente. (...) Há um caminho que, não raro, é apresentado como neutro: o abstencionismo. Acontece, porém, que o abstencionismo é fuga ao dever e o que chama neutro é, na verdade, a tomada de uma posição contra os que estimam que o neutro é um corpo mutilado. É a filosofia dos que não levam a sério a filosofia do outro."

("EDUCAÇÃO. Ajudar a pensar, sim. Conscientizar, não". Rio de Janeiro: Agir, 1991, p. 149-50) "

Para apoiar esta petição clique aqui


Para ter acesso a carta onde ex-alunos demonstram insatisfação com a adesão de professores e alunos ao movimento contra a reforma da previdência clique aqui.

* Prova maior de que o Colégio São Bento é capaz de abarcar a pluralidade de opiniões e conceitos é o perfil dos dois ex-alunos que se colocam em campos opostos neste debate.

 

Veja também:

>> Fora de Pauta: Luarlindo é enviado para cobrir golpe militar na Argentina - vídeo

>> Temer come carne importada com embaixadores enquanto mundo começa a vetar carne brasileira

>> Stédile: trabalhadores começam a se mexer. Mas lua deve ser em todo o Brasil

>> Crivella teria pedido demissão de jornalista

>> Crivella nega que tenha pedido a "cabeça" de jornalista

 
  • Enviar para um amigo
  •  
  • Compartilhar no Twitter
  •  
  • Compartilhar no Facebook
  •  
  •  
  •  comentário(s)
  •  
 
Previdência: ex-alunos do tradicional Colégio São Bento se enfrentam no Rio
 

Copyright 2017 - WebRadio Programa Conexão - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Go2web

Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!